Celpa agora é Equatorial Pará

Ano começa com operação de combate a clandestinidade no uso de energia

Duas operações já foram realizadas este ano nas zonas rural e urbana

 Ligações clandestinas de energia elétrica representam um perigo para quem instala e para quem usa. E mesmo sabendo disso, muita gente ainda insiste em burlar a lei. Só nos dois primeiros meses deste ano, as equipes da Equatorial Energia Pará, juntamente com a Polícia Militar, realizaram duas operações de retirada de ligações clandestinas em Marabá e São Félix do Xingu. Estas instalações são feitas sem o conhecimento do sistema de medição da empresa, oferecendo sérios riscos à população.

Em janeiro, as equipes estiveram em uma madeireira na Vila Descoberta, zona rural de Marabá, e retiraram um transformador em uma madeireira. Já na Vila Sudoeste, zona rural de São Félix do Xingu, a ocorrência envolveu outras duas madeireiras, que foram desativadas. Em um posto de combustível clandestino, na Vila Cascalheira, também zona rural de São Félix do Xingu, um transformador estava instalado de forma ilegal e foi removido. Na ocasião, também houve o desligamento de energia em uma madeireira, por conta do alto valor de débitos junto a concessionária.

O início do mês de fevereiro também foi marcado pela ação, que foi focada no Assentamento 1º de Março, zona rural de Marabá, e resultou na desinstalação de 11 transformadores e desligamento da rede. A equipe relata que a presença da polícia é importante, pois nesses casos acabam acontecendo conflito

Furto de energia

Os clientes clandestinos são aqueles que possuem rede elétrica na sua rua, mas se ligam à rede da Equatorial de forma irregular, sobrecarregando o sistema e causando riscos para o restante da população. Já nos casos de gambiarra, a população não tem acesso a rede elétrica regular da concessionária, e muitas vezes estão ligados em redes extremamente precárias, sem qualidade e segurança, construídas com diversos tipos de materiais inadequados, como madeiras e arames. Só na região sul e sudeste do estado, em 2019, foram registrados mais de 37 mil casos de furtos de energia.

A prática de furto de energia é crime e nos termos do artigo 155 do Código Penal Brasileiro, a pena pode variar entre um e quatro anos de reclusão, acrescida de multa. Os clientes podem fazer denúncias sobre esse tipo de ligação por meio dos canais de atendimento da Equatorial Energia Pará, como a Central de Atendimento pelo 0800 091 0196, pelo site www.equatorialenergia.com.br ou, presencialmente nas agências.

Mais leve que 3 selfies

Baixe agora o App da Equatorial Energia na sua loja de aplicativos.